La Notícia

Jornalista da Globo se demite após humilhação do chefe e salário baixo; veja valor

O jornalista da TV Globo Matheus Ribeiro se demitiu da emissora nesta quarta-feira, 8, após sofrer mais uma humilhação de seus chefes.

De acordo com o site Notícias da TV, ele vem sendo perseguido no canal desde que participou da bancada do Jornal Nacional.

Leia também: Ator da Globo Fábio Assunção agride e faz quebradeira; pode ser preso e demitido; veja detalhes e valor do salário dele

Antes repórter da TV local, ele foi promovido a apresentador em Goiás, mas na prática, nunca recebeu essa promoção.

Seu salário ficou em R$ 8 mil, considerado baixo para os padrões da Globo. Mas como não havia sido promovido na carteira, recebeu o aumento através de horas extras que nunca foi obrigado a cumprir.

Leia também: Salário de Faustão vaza na web e Globo toma atitude cruel com funcionários do Domingão; veja o valor aqui

Ao ver seu pagamento de março, viu que recebeu apenas R$ 3.900 reais. Aos questionar seus chefes, lhe disseram que este seria seu salário a partir de agora.

Leia também: Demitido da Globo já denunciou teste do sofá e humilhações de Luciano Huck: “levar mijada calado”; veja detalhes relatados

Após tentar negociar a situação, a diretoria não abriu mão. Resultado, nem voltou a aparecer no trabalho.

Ainda segundo o Notícias da TV, sua participação no Jornal Nacional desencadeou ciúmes e inveja.

Suas sugestões pararam de ser ouvidas e ele começou a sofrer perseguição de chefes e colegas que se sentiram ofuscados.

Nos corredores, ouvia comentários maldosos por ter um namorado homem e policial. Além disse, seu chefe o proibiu até mesmo de fazer uma live em suas redes sociais.

Leia também: Fotógrafo vaza na web foto de atriz da Globo sem roupa após 20 anos; veja aqui

Seu sucesso em Goiás é tão grande que seu bordão, “Tchau. Brigado!”, é usado como gíria por todo o estado.

Ainda sobre o canal, veja os ‘Maconheiros da Globo’: lista de atores que fumam vaza e bomba na web; veja os nomes aqui

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários