La Notícia

Atriz da Globo revela que foi estuprada por diretor aos 18 anos: “fui convidada”

A atriz Juliana Lohmann, que já teve passagens pela Globo e Record, revelou que foi estuprada por um diretor famoso, em São Paulo, quando tinha 18 anos.

“Fui convidada para fazer um teste por um famoso que dirigia seu primeiro longa. Ele me ligou e me chamou diretamente. Era em São Paulo e eu sou do Rio de Janeiro. Perguntei se podia levar minha mãe. Não, ele não poderia pagar mais uma passagem.

Pediu desculpas. Fui mesmo assim. Era a primeira vez que viajava sozinha, me senti uma desbravadora de novos horizontes pronta para fazer cinema. Passei a madrugada estudando a personagem, cheguei com a cabeça cheia de ideias e perguntas”, começa a contar sobre o episódio que lhe traumatizou.

Juliana conta que se instalou no mesmo hotel que o diretor, o qual ela não revelou o nome. Os dois passaram o texto juntos, até que ele sugeriu o uso da maconha para que a cena fosse relida com mais ‘loucura’ e ‘novas nuances’. “Fiquei reticente, mas acabei aceitando. Dizer não para um diretor não é algo que uma atriz de dezoito anos sabe exatamente fazer. Um trago foi o suficiente pra que eu ficasse completamente chapada. Em determinado momento, percebi que o contato que ele fazia comigo excedia o profissional. Minha inexperiência com a erva não me deixou em condições de avaliar com mais clareza o que de fato tava acontecendo. Ele veio me beijar. Eu me assustei, disse que não queria. Foi uma completa surpresa acreditar que aquele homem, com sua boa imagem midiática de família margarina, se aventurar com outras mulheres. E ainda mais comigo”, relembra ela, em depoimento à revista Claudia.

“Ele tirou o roteiro da minha mão e me apertou com força contra o corpo dele. Eu pedi pra parar, mas ele me apertou mais forte. Fiz força para sair e não consegui. Imobilizada, eu disse que ia gritar. Ele respondeu em um tom doce que, se eu gritasse, ninguém iria ouvir. Eu tentando respirar e acalmar o pânico do pensamento de que eu estava a centenas de quilômetros de casa. Entendi que não tinha saída. Fiquei quieta. Fiz o que ele queria”, completa.

“Este diretor usou de sua posição de poder, não só por ser um homem branco muito mais velho, mas principalmente por ser o diretor do filme, responsável por decidir se eu trabalharia ali ou não. Eu, uma atriz de dezoito anos recém-feitos e que ainda começava a entender como me posicionar profissionalmente sem minha mãe por perto. Ele me enganou, me drogou e me estuprou, violando sexual e deixando marcas que carreguei pro resto da vida”, finaliza Juliana.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Tags:
Categorias:
Polêmicas

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
14 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Paulo Lara Junior

Qual a necessidade da adjetivação, BRANCO, no decorrer da fala dela? Não entendi.

Sandoval

Não ?? Que gracinha …

Nil Rosa

Ela deve ter usado o termo “homem branco, porque no seu entender, só homens negros pratica esse tipo de ato… Mas uma vez, o negro sendo hostilizado… É o racismo velado, camuflado….

DI CARVALHO

De jeito nenhum. Você é que deve estar desconhecendo o tipo de observação, muito comum na discussão sobre privilégios dos Homens Brancos.Primeiro, por serem homens,em posição de controle.Depois, por serem brancos,e com isso possuírem “imunidade” ,junto as autoridades. Ao contrário, é a denúncia contra a subserviência ao neto de escravagistas. Sou homem branco e dedico-me a viver em defesa e respeito a todos. Tenham a etnia,formação,idade e crença que tiverem.

Renata Renata

É que Branco tem pau pequeno…

Honneur Monção

Estava louca para dar e agora vem com esse mimimi… Todo mundo conhece esse script…

Edleuza Castro

Verme sujo nojento repugnante, você.

Honneur Monção

Já lavou a perereca hoje?

DI CARVALHO

Bolsonarista detectado

Honneur Monção

Vai rodar a bolsinha na rodoviária…

DI CARVALHO

Nem monção,nem honra.

Honneur Monção

Cara, você deve ser cruzeirense, boiola, frustrado…

Renata Renata

Tadinha… Comeram o rabicó?

Luis Campos

Eu diria para a Juliana que aproveitasse melhor sua história, que é boa, fazendo uma obra com ela – um filme. Porque se o diretor está na posição dele é porque enfrentou as dificuldades é tem uma obra, quer boa ou ruim. Já ela concede uma entrevista. O que isto lhe garantirá na vida? Alguns momentos de notoriedade, nada mais. Gostei da forma como ela descreveu os acontecimentos e a escolha de palavras. Talvez desse sim um bom roteiro.