La Notícia

Atriz da Globo que ameaçou matar Bolsonaro é acusada de hipocrisia e é detonada

Maria Flor publicou em seu Instagram mais um vídeo da série Flor Pistola e chamou a atenção de alguns bolsonaristas. Isso porque a atriz atribuiu a falta do Carnaval em 2021 à ausência de vontade do Governo Federal em vacinar a população.

“Todo mundo sabe de quem é a culpa por não ter Carnaval. É do infeliz do Bolsonaro. Se em julho de 2020 tivesse organizado essas vacinas, agora tinha Carnaval. Todo mundo estaria trepando. Esse homem quer acabar com o Carnaval, com o sexo, que ninguém mais trepe. Que fique no papai e mamãe, aquele negócio mais ou menos”, diz Maria Flor em seu vídeo.

Leia também: Luciano Huck não quer Marcos Mion na Globo e web diz que é inveja; veja aqui

Ela ainda fala sobre como estaria nesses dias de folia. “Ia estar toda suja, toda lambuzada de cerveja, xixi, gozo de alguém e uma lambeção. E só putaria, putaria gente. É isso que o Brasil precisa: putaria. Mas o Bolsonaro não quer isso, ele quer que a gente fique no papai e mamãe, na caretice, que a gente não trepe e não beije na boca de língua”, afirmou.

“Em agosto poderia ter comprado várias vacinas, tinham várias vacinas já pipocando. Não fez nada; Fechou a vacina em cima da hora para fuder nosso Carnaval. Para a gente não poder ficar nu, maluco pela rua, todos bêbados”, disse a atriz.

O vídeo foi usado por defensores de Jair Bolsonaro (sem partido) para atacar a oposição. “A ‘atriz’ Maria Flor fala de que não tem carnaval esse ano por culpa do presidente e que não vai poder fazer ‘putaria’. Esse é o tipo de gente que temos como oposição ao Governo Bolsonaro. Cada vez que vejo as pessoas que são contra o presidente, tenho certeza de que estou do lado certo”, escreveu o deputado Carlos Jordy (PSL).

“Lumena do ‘BBB’ e a surtada Maria Flor são excelentes cabos eleitorais para a reeleição de Bolsonaro em 2022. Continuem nessa doideira, meninas!”, escreveu Sérgio Camargo, presidente da Fundação Palmares

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários